Flora 

To play, press and hold the enter key. To stop, release the enter key.

press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom

A mata ciliar abrange a maior parte do Santuário, estendendo-se pela encosta do Morro do Frota até o seu cume, quando cede lugar ao cerrado.


Seu estrato arbóreo superior alcança em média 25m de altura. Aí estão os belos jequitibás, os angicos, os paus-dóleo e os jatobás, onde um se destaca por seu porte e beleza - o jatobá "Mãe da Floresta" que dá o nome a uma das trilhas interpretativas do Santuário.


No estrato médio da mata encontram-se os indivíduos entre 6m e 15m; um terceiro arbustivo em torno de 3m e um inferior constituído de plantas herbáceas, onde se destacam as samambaias, as musáceas e as begônias.

 

Esta mata, sempre verde, possui mais de 50 espécies lenhosas identificadas e uma significativa flora epífita, com 23 espécies de orquídeas, além de peperômias, bromeliáceas, cactáceas e musgos.


A flora do cerrado presente no Santuário é também bastante diversificada. Árvores com saborosos frutos são encontradas facilmente como o pequi, o araticum, o cajuí, a cagaita e a mangaba.

 

As belas em sua floração também estão presentes como a sucupira-roxa, o pau-santo e os efêmeros, mas deslumbrantes, ipês-amarelos, cuja floração indica o final do período da seca no cerrado.                                            

Fauna 

To play, press and hold the enter key. To stop, release the enter key.

press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom

Dividida entre os ecossistemas da mata e do cerrado, uma rica fauna pode ser observada no local. Com atenção, silêncio e sorte poderão ser observados os macacos-prego (Cebus apella libidinosus) e micos-estrela (Callithrix penicilata) nas copas das árvores. Habitam também a área os barbados (Alouatta caraya), o maior primata do Cerrado.

 

Ainda é registrada  a presença de quatro espécies de tatus, do tamanduá-mirim, do tapiti, do veado-campeiro e de roedores como a paca, a preá e a cutia.

 

Entre os folhedos da mata, é possível encontrar o pequeno lagarto (Anolis crysolepsis), cuja ocorrência na região dos cerrados era desconhecida até o seu registro no Santuário Vagafogo.Algumas aves aqui encontradas, assim como o pequeno lagarto Anolis, indicam a mata do Santuário como um local de superposição de áreas de influência amazônica, da mata atlântica e da caatinga.

 

A avifauna local também é rica, tendo sido listadas em um só dia, 72 espécies. Hoje a lista de aves conta com mais de 200 espécies.É possível avistar aqui o beija-flor (Phaethornis ruber), o bico-de-brasa (Monasa nigrifrons) e o trinca-ferro (Saltador maximus), espécies amazônicas, ao lado do benedito (Melanerpes flavifrons), do sudeste brasileiro e do cã-cã (Cyanocorax cyanopogon), espécie da caatinga.

Também presente no Santuário o belo tucano (Ramphastos culminatus pintoi), pássaro que teve sua área de especiação na Serra Dourada e que se tornou símbolo do Santuário de Vida Silvestre da Fazenda Vagafogo.